quinta-feira, janeiro 11, 2007

Concurso Literário do TUM

Uma vez que a reunião do júri do concurso se efectua após a cerímónia de tomada de posse dos órgãos da AAUM, o anúncio do resultado do concurso literário do TUM apenas será divulgado no mês de Fevereiro, em cerimónia pública a definir ou através dos respectivos meios de comunicação social.

14 comentários:

J. Pereira disse...

Mas já é possível ir levantar as obras ao Gabinete de Apoio ao Aluno em Gualtar, que o júri, entranto, já decidiu que não vão vencer o concurso?

Anónimo disse...

novo atraso?

nota-se bem que é o primeiro... as coisas não foram lá bem planeadas...

mas ainda assim, foi boa iniciativa...



vejam se da próxima não adiam tantas vezes.

Fiquem bem

ZéLuís disse...

o júri ainda não não teve a reunião final. só depois disso é que os exemplares serão colocados no GAA. penso que no início das aulas do 2º semestre as cópias poderão ser levantadas.

Anónimo disse...

Ó anónimo, o que se vê bem é que nunca participaste em concurso nenhum. Haja paciência.

ZéLuís disse...

amigos anónimos, não se zanguem que não vale a pena. acho óptimo que comentem e debatam, já agora podem dar sugestões para o regulamento do próximo concurso: alargar o universo de candidatos? escolher um tema para cada ano? definir um género ou modalidade? premiar o vencedor de outra forma que não seja a edição?...

Anónimo disse...

Eu por mim acho que é essencial retirar a clausula que diz que pessoas com livros editados não podem concorrer. Não é por se ter um livro ou outro editado que isso significa que já se é consagrado ou reconhecido... mas acho que definir género ou modalidade é má ideia, acho que isso deve ser livre.

Anónimo disse...

Aquilo que afirma, ou melhor, a ideia que propões, tem obviamente sustentabilidade.
Há contudo uma ressalva. Um livro publicado significa, como é obvio, projecção pública. Independentemente do número de unidades vendidas, o livro está disponivel para todos, é público, logo existe uma certa projecção que não existe num escritor totalmente anónimo.

Creio que é precisamente este o verdadeiro motivo do concurso. Premiar todos aqueles jovens escritores que têm talento e estão no anonimato, obviamente que se tivessem publicado um livro, não seriam tão anónimos quanto isso, muito menos estariam na penumbra ou a procurar uma primeira oportunidade.

Editar um livro não é fácil. Requer qualidade, esta é ainda mais elevada no que toca, por exemplo, a ensaios ou a poesia... Não é qualquer pessoa que edita um livro, ainda que pense que as coisas funcionam assim. Editar um livro é, na maioria dos casos (confesso que conheço casos em que isso não acontece e nisso concordo consigo), é sinónimo de reconhecimento e isso não encaixa, pelo menos na minha opinião, na teleologia deste prémio.


Abraços

mf.o disse...

Penso que dividir o concurso por géneros diferentes seria uma optima ideia, seria importante separar as águas: é quase ingrato e pouco comparável uma obra de poesia com uma obra em prosa p.ex. e talvez seja isto tb um inconveniente para o júri.
Escolher um tema para cada ano seria uma má ideia, limitaria e subjugaria a criatvidade do autor que pretendesse concorrer. Se realmente a intenção do concurso é "fomentar a escrita e apoiar a edição de novos valores no âmbito da literatura" , penso então que o concurso se deveria realmente centrar nos novos valores desconhecidos que devem, concerteza, existir nesta universidade, criando-se, assim um segundo e um terceiro lugar, nem que isto fosse uma criação meramente simbólica. Quanto aos sucessivos adiamentos, acredito que é compreensível, o importante é não haver "julgamentos" apressados. Penso que a edição da obra do vencedor como prémio ser o principal atractivo deste concurso, não vejo a razão de pôr isto, de certa forma, em causa?
Sem mais assunto, um obrigado.

nxiza7 disse...

Plenamente de acordo...
Acho que impor um tema ra o concrso seria muito limitador, mas por outro lado julgo que realmente o facto de serem aceites a concurso todos os géneros de literatura faz com que a decisao do juri seja ainda mais dificil e demorada...
Compreendo perfeitamente a demora da decisao...
Concordo com o "mf.o", axo k instituir um 2º e 3º lugar nem que meramente simbólicos seria interessante.
xxx

Anónimo disse...

"Editar um livro não é fácil. Requer qualidade, esta é ainda mais elevada no que toca, por exemplo, a ensaios ou a poesia... Não é qualquer pessoa que edita um livro, ainda que pense que as coisas funcionam assim."

Não podia estar mais de acordo com este ponto e é evidente que um dos grandes problemas da actualidade é que possivelmente tudo seja editado sem discernimento do conteúdo e qualidade (são conhecidas as editoras que editam mediante pagamento). Não gostei do ‘ainda que pense que é assim que funciona’. Lancei apenas uma sugestão e não vejo porque devo ser atacada pessoalmente por isso. A questão que coloquei relativa ao facto de que a clausula que não permite que o prémio seja atribuído a quem já foi publicado castra aqueles que realmente se dedicam ao assunto e pretendem avançar. É provável que um jovem escritor que se dedique realmente já tenha conseguido edição devido, precisamente, à sua qualidade e principalmente ao seu empenho. Ou não. Mas isso também não seria um problema, visto que dessa forma confirmaria a sua má qualidade conseguindo concorrer mas não sendo premiado. Contudo, querer participar num prémio é querer testar a sua qualidade mediante a apreciação de um júri em quem se confia. É provável que muitas vezes um escritor com mais qualidade já tenha conseguido distinção anteriormente o que não implica que não necessite de todas as ajudas possíveis para evoluir. Ter projecção através da escrita é muito complicado. Era mais fácil se me dedicasse à música pimba. A propósito, eu não sei se estou para aqui a discutir com alguém que conheço. Só não me identifico porque sou pronto… um bilhete de avião?

mf.o disse...

Há concursos em que apenas se premeia obras já publicadas, pk n concorres a esses concursos? São muitos e com as mais variadas clausulas. É sempre bom dar oportunidade aos outros, aos desconhecidos, esses k escrevem, que se 'dedicam ao assunto' realmente, sem ambições de maior, com toda a dedicação ,e que no entanto nunca quiseram saber de editoras(publicações), concursos, até mudarem de ideias e resolverem, finalmente, concorrer a 'esse assunto' ou mero concurso de excelente intenção. Se n existissem concursos deste género,só para desconhecidos, então ninguém emergia do anónimato, seria de certa forma injusto, ganhariam quase sempre os mesmos. Porque por mais k digam k não, o nome ainda pesa na balança,tal como a experiencia nestas lides...

Anónimo disse...

Bem, só tenho uma coisa a dizer e só espero que não seja levado como ataque pessoal:

- Há muitos concursos que premeiam escritores que editaram e publicaram obras.

A partir do momento em que se publica uma obra, sai-se do anonimato. Digam o que disserem, isto é um facto.
Assim, quem editou e publiciou uma obra, deve concorrer a outro tipo de prémios literários onde, à partida, estajam em pé de igualdade para com todos os outros participantes, igualmente autores que publicaram trabalhos seus.

Aqui a intensão é premiar jovens escritores que nunca publicaram qualquer tipo de obra, abrir uma porta, um novo mundo a quem tem qualidade e não teve ainda oportunidade para ser reconhecido pela sua criatividade. Acho muito bem que assim seja e é assim que deve ser.

Fiquem bem

Anónimo disse...

para quando o resultado, em concreto?sem querer exagerar nem acusar, não será abuso por parte da organização?

ZéLuís disse...

No dia 23 de Fevereiro será realizada a reunião do júri onde será tomada a decisão final. Está a ser estudada uma cerimónia pública onde possa vir a ser anunciado o premiado. No caso de tal não ser possível a curto prazo, o resultado será divulgado junto dos respectivos órgãos de comunicação social.

Não desesperem. Os elementos do júri do concurso têm uma actividade profissional muito concorrida a nível nacional e internacional, e nem sempre é fácil conciliar datas. É para o TUM uma honra poder contar com a colaboração das pessoas em causa e não queremos precipitar as avaliações.

Teremos em atenção algumas das sugestões referidas neste blog para o regulamento do próximo concurso. Continuem a opinar, mas não vale a pena zangarem-se:)